Pastoral da Mulher promove encontro no Regional PAR
22/05/2018 - 14h26 em Diocese
Em Angra, o salão paroquial da comunidade Profeta Elias e Nossa Senhora do Carmo, Paróquia Nossa Senhora da Conceição, aconteceu nesta quarta-feira, 16, o Encontro da Pastoral da Mulher, voltado para o Regional PAR.  A Profª Joana Darc Venancio foi acolhida pela Pastoral da Mulher para ministrar formação com o Tema: "Os Direitos das Mulheres: Diferença entre Feminismo e Feminino".
 
Estavam presentes cerca de 50 mulheres. O clima foi de total acolhida, fraternidade e espiritualidade. O espaço muito bem organizado, em destaque a Bandeira do Divino por ser semana de comemoração e também as imagens de Nossa Senhora do Carmo e Santo Elias, Padroeiros da Comunidade onde o encontro aconteceu.
 
A reflexão gerou em torno da situação das mulheres no Brasil que são vitimas da violência simbólica e concreta tendo sua dignidade usurpada. São muitos os sofrimentos e dores que ainda assolam as mulheres, inclusive no Município de Angra dos Reis, que lidera os índices de violência contra mulher no Estado do Rio de Janeiro.
 
A proposta foi apresentar os caminhos a partir da Fé e dos ensinamentos do Evangelho e da Igreja para a superação da violência e do desenvolvimento da autoestima. Neste sentido, foi refletida a diferença entre “feminismo” e “feminino”.
 
Segundo a palestrante, a Mulher Católica não deve se deixar levar pela onda dos “movimentos feministas” que agridem a própria natureza de ser Mulher. “Ela deve buscar a valorização de sua condição feminina, que lhe foi presenteada por Deus”, disse Joana Darc.  Mulher e Homem devem ser igualmente respeitados em todas as dimensões sociais: condição de trabalho, de remuneração, de oportunidades.
 
Ainda em sua palestra, a prof. Joana ressaltou que é preciso exigir Políticas Públicas sérias e eficazes de proteção à Mulher, levando em conta, que as que existem, apesar de terem sido avanços, não são aplicadas como deveria como o caso da Lei Maria da Penha, que pela ausência da responsabilidade do estado, não consegue, na prática, proteger e transformar a vida da mulher agredida.
 
A palestrante disse também  – vale a pena lutar por igualdade de dignidade entre homem e mulher, pois é, responsabilidade de todos nós, mas não podemos nos esquecer de que Mulher e Homem não são, por natureza, iguais, mas diferentes. Homem e Mulher foram Criados por Deus e cada um tem seu valor em sua condição-declarou.
 
Também estavam presentes duas crianças que inspiraram o encontro, seja pelos nomes, como pela postura atenta à reflexão: Gabriel e Pedro. Gabriel, o nome do Anjo que anunciou à Maria, a Grande Mulher, Feminina, Mãe, Esposa. Pedro: aquele que construiu a Nossa Igreja. A Pedra Fundamental. Gabriel e Pedro representam nossa responsabilidade de formar novos homens a partir dos valores Cristãos.
 
 
Redação: Pascom
COMENTÁRIOS