COMO TRANSFORMAR DOR EM AMOR?
28/12/2017 - 13h24 em Artigos

O que é DOR?  Pela explicação da medicina é uma sensação penosa, desagradável, produzida pela excitação de terminações nervosas sensíveis a esses estímulos, e classificada de acordo com o seu lugar, tipo, intensidade, periodicidade, difusão e caráter. Mágoa originada por desgostos do espírito ou do coração; sentimento causado por decepção, desgraça, sofrimento, morte de um ente querido etc. Existem muitos tipos de dores. Mas vou falar um pouco da dor de Jesus.Deus sentiu  dor física e emocional. Dr. Barbet, médico francês descreveu em um artigo as dores de Jesus:

“A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos. Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado e de diferentes estaturas. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reagem em um sobressalto de dor. As forças de esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue. Depois, o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo). Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da cruz; pesa uns 50 quilos. O percurso é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, frequentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega e lhe esfola o dorso. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará horas.”

Forte?! Não é mesmo?! Por mais que sua dor seja intensa tenha certeza que Jesus sentiu muito mais dor do que você sente agora. Eu não sei qual é a sua dor. Se sua dor é física causada por: câncer, tumores, cirurgias, cortes, fraturas, acidentes, hemorragias. Ou emocional por: depressão, traição, abandono, perda de emprego, perda da dignidade, perda de um ente querido entre outras. Mas sei que mesmo que sua dor seja maior que possa suportar, Jesus mesmo assim sentiu mais dor. Sua dor é pequena diante de Deus.

Sabe o que impressiona-me? Diante de tanta dor e sofrimento Ele consegue transformar seu calvário e morte em amor. Profundo! Amor que não podemos medir. Amor que não requer troca. Amor gratuito, forte e infinito.

Porém o que isso tudo tem haver com a transformação da dor para o amor? Tudo. Quer curar sua dor? Quer esquecê-la nem que seja por alguns instantes? Quer transfigurá-la em algo bom? Quer trocar sua dor por amor? Não é fácil, mas possível. Primeiro passo viva o LUTO da sua dor. Independente se ela for física ou emocional. Aceite essa dor como parte de você. Chore, chore, chore. Quantas vezes for preciso. Sozinho no quarto ou no banheiro, no ombro de um amigo, na capela do Santíssimo. Não importa onde e nem como. Chore. Chore muito. Coloque para fora. Não segure as lágrimas. Não é vergonha! Chore por dias, semanas, e ofereça suas lágrimas para Deus. Ofereça suas lágrimas para santificação da humanidade.

Após o luto e as lágrimas reflita sobre sua dor. Deixa- a ensinar ou responder algo a você mesmo. Lembrando que a dor é minha, sua e não nossa. Reflita. Pare. Respire profundo. E inicie a entrega da dor a Deus. Como? Ore ao Espírito Santo de Deus, leia a Bíblia todos os dias para encontrar conforto ou cura a sua dor. Fale com Jesus. Mostre para Ele onde dói. Aponte mesmo. Rasgue-se diante de Jesus.

Libere perdão a si mesmo ou a alguém que tenha causado a dor. Se possível busque o sacramento da confissão. Ele faz parte do processo de cura. É um santo remédio para o corpo e a alma.

Nas missas dominicais, ao comungar, faça orações de agradecimento. Mesmo que ainda esteja sentindo sua dor, agradeça a Deus Eucarístico. Louve.

Sorria! Sempre! Sorrir é um remédio sem efeitos colaterais; não precisa de prescrição e é de graça. Por isso, pare de franzir a testa e solte uma boa gargalhada sempre que possível que os benefícios virão. Quem sorri estimula o cérebro a liberar endorfina e serotonina — substâncias responsáveis pela sensação de prazer e felicidade.

E a ação seguinte é algo extraordinário. Tem uma música do Dunga, membro da comunidade Canção Nova, que diz assim:

“Sem forças pra recomeçar
Senti vontade de gritar
Vem Senhor, vem me curar
E ao coração vem me falar
Quero voltar a escutar
Sem medo, a ti vou me entregar
Pois eu sei, se contigo caminhar
Eu terei forças pra continuar
Vai caminhar, na estrada eu vou te curar
A cada passo junto a mim
Verás que não chegou o fim
E nada vai poder te deter se começar a crer
Se gritar por compaixão
Os meus braços te sustentarão”

Vai caminhar amado e amada de Deus! No caminho Deus te curará! No serviço da Igreja, nos hospitais levando um sorriso, acolhendo um irmão de rua, escrevendo, cantando, estudando, tocando um instrumento, não importa como, mas vai caminhar. Você não precisa curar-se primeiro para depois fazer algo. A cura da dor acontecerá no caminho. E você surpreenderá com seu eu e com Deus.

Não engane-se achando que é o único ser vivo que sente dor. Todos nós sentimos dor em algum momento da vida. E enquanto estivermos respirando estamos sujeitos a isso. Não temos poder sobre a dor. Não sabemos quando ela irá nos assombrar. Porém temos a receita para não deixa-la sucumbir com nossa vida.

A dor torna-nos sensíveis e fortes ao mesmo. Só precisamos ter a certeza disso. O amor precisa de corações sensíveis e fortes para florescer e multiplicar. E quando conseguimos transformar a dor em amor estaremos em sintonia com o Senhor. Com isso tornamo-nos um Ser Humano melhor. Aprenderemos a ouvir, a refletir, a partilhar, a contemplar, a caminhar com Jesus.

 

 “Deus e só Ele, pelo poder do Espírito Santo, pode nos dar a imensa graça de elevar nosso sofrimento e dor. Ele faz isso olhando para Jesus, o Filho. Jesus, ao acolher a vontade do Pai de salvar cada homem, ‘pintou’ o sofrimento e a dor com as cores do amor e da alegria” (Emmir Nogueira)

Foto: http://www.fisioeyoga.com.br/fisioterapia-e-dor/

 

 

Viviane Pinheiro Andrade da Silva, Professora, Pedagoga (UERJ),

Pós-Graduanda em Psicopedagogia Institucional e Clínica,

Pesquisadora dos Transtornos de Aprendizagem,

Sócia da ABENEPI e Membro da Pastoral da Educação de Itaguaí.

 

COMENTÁRIOS